MPPB pede a condenação de gestores e de estudantes de medicina por improbidade administrativa no caso dos falsos médicos de Paulista

links patrocinados

O Ministério Público da Paraíba, através do promotor de Justiça de Paulista, ingressou com uma ação civil pública por ato de improbidade administrativa contra o prefeito de Paulista, Severino Pereira Dantas, a então secretária de saúde do Município, Ísis dos Santos Dantas, a secretária de finanças da prefeitura, Íris dos Santos Dantas, ambas, filhas do referido prefeito e também contra os seis estudantes de medicina que atuaram no Hospital de Paulista como se fossem médicos.

Para o MP, diante de inúmeras provas acostadas aos autos durante o procedimento preparatório, restou configurado o ato de improbidade administrativa tanto do prefeito, como das secretárias de finanças e saúde do Município que não tomaram os devidos cuidados ao contratar vários profissionais não habilitados, por um período de três anos, pra cuidar da saúde pública do Município, o que colocou em risco toda população. O MP também pede a condenação dos seis estudantes por enriquecimento ilícito.

O promotor destaca na ação, o caso de uma criança de nome Artêmio Gomes Monteiro e uma jovem de nome Maria da Guia que teriam falecidos depois de receberem atendimento e serem medicados pelos falsos médicos no Hospital Municipal da cidade.

O promotor ainda frisou no seu relatório que as declarações do prefeito e das secretárias de saúde e finanças que durante a defesa alegaram que foram enganados pelos estudantes e os contrataram pensando que os mesmo eram médicos, são contraditórias, já que os estudantes de medicina declararam em depoimentos à polícia que foram contratados pelos gestores apenas pra estagiar no Hospital e que seriam acompanhados por médicos habilitados, o que não ocorreu, pois conforme documentos fornecidos pela própria prefeitura de Paulista, eles eram pagos e atuavam como médicos plantonistas no Hospital Municipal Emerentina Dantas.

Para o Ministério Público houve no mínimo, negligência e falta de zelo com a coisa pública, pois os referidos gestores deveriam ter averiguado melhor a documentação dos supostos médicos e realizado a contratação através de processo de seleção simplificado ou através de concurso público e que não houve se quer a formalização de contratos, os estudantes recebiam da prefeitura através de notas de empenhos.

No final da ação, o Ministério Público pede a condenação do prefeito, das duas secretárias e dos seis estudantes de medicina por ato de improbidade administrativa e ainda ao pagamento do valor de 300 mil reais ao Município, por dano ao erário e enriquecimento ilícito.

links patrocinados
Artigo anteriorMelhores destinos de viagem para quem ama comer carne!
Próximo artigoObra do Santo Antônio em ritmo acelerado

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui