Hospital Irmã Dulce investe em proteção do meio ambiente

links patrocinados

O Hospital Municipal Irmã Dulce – da Secretaria de Saúde Pública (Sesap) e gerenciado pela Fundação do ABC (FUABC) – tem investido em iniciativas de preservação do meio ambiente e quer obter o prêmio “Amigo do Meio Ambiente” por conta de ações como a conscientização ecológica dos funcionários, separação e pesagem diária de resíduos.


Criado pela Secretaria de Estado da Saúde para reconhecer ações que favoreçam a qualidade ambiental, o prêmio foi entregue recentemente ao Hospital Estadual Mário Covas, de Santo André, também gerenciado pela FuABC. Os setores Hotelaria e Segurança no Trabalho criaram e aplicam o Plano de Gerenciamento de Resíduos, que se baseia em normas sanitárias da Anvisa para conduzir medidas de manejo, segregação e acondicionamento dos lixos comum, reciclável, infectante e perfuro-cortantes.
Além de poupar recursos públicos, informar equipes e evitar acidentes de trabalho, o hospital se preocupa em incentivar a reciclagem. Metade do que é coletado é comercializado, sendo os recursos revertidos a outras medidas de preservação, como a identificação de lixeiras para captação de materiais recicláveis como o plástico, que demora mais de 100 anos para se decompor. A outra metade é doada para duas cooperativas da Cidade.
Ao encontro desta filosofia, profissionais de diferentes setores, como enfermaria e limpeza, foram alvos de palestras. “Procuramos conscientizar os funcionários sobre como evitar o desperdício e a importância da proteção ao meio ambiente, com o descarte adequado de pilhas, baterias e medicações, por exemplo”, destaca a responsável pelo setor de Hotelaria, Simone Solera Vital da Silva.

Pesagem – Uma balança de plataforma é a principal ferramenta para controlar a quantidade de resíduos. Todos os dias, em diferentes plantões, os coletores fazem a pesagem do material recolhido nas alas e preenchem uma planilha com tipo, setor e quantidade. As informações vão para a Hotelaria, onde são registradas e analisadas. “Com isso, conseguimos ver o quanto o hospital gera de resíduos para aumentar a quantidade dos que são recicláveis e reduzir a dos infectantes”, prossegue Simone.
O controle permite ainda identificar setores que produzem mais lixo infectante, buscando as causas e efetuando eventuais orientações às equipes. Com a pesagem de resíduos, palestras de conscientização e outras iniciativas, como o cuidados na coleta de lâmpadas fluorescentes, que exigem uma destinação especial para não contaminar o solo, o Hospital Irmã Dulce segue o exemplo do Hospital Mário Covas, que conseguiu reduzir em 70% o descarte de resíduos infectantes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui